10 RELÓGIOS DE MERGULHO QUE PODE USAR O ANO TODO

Os relógios de mergulho começaram a surgir no mercado em torno das décadas de 50 e 60 e cedo se destacaram pela sua versatilidade. Numa época em que não existiam ainda computadores de mergulho e outros instrumentos digitais, os relógios de mergulho eram instrumentos fundamentais para os mergulhadores, profissionais ou recreativos. Ainda hoje, muitos mergulhadores fazem-se acompanhar de um relógio, a par do computador de mergulho, como backup caso algo corra mal. À semelhança, aliás, dos pilotos de aviões, com relógios de aviador.

O relógio de mergulho – devido à sua grande versatilidade e robustez, além de normalmente terem um desenho consensual e bem conseguido – rapidamente se tornou presença habitual em muitas colecções de relógios e, em muitos casos, num relógio de utilização diária, fiável e adaptável a várias ocasiões. Para isso, também muito contribuiu a frequente presença de relógios de mergulho (quase sempre da Omega) no pulso do mais famoso agente secreto, James Bond.

1. OMEGA SEAMASTER DIVER 300M CO-AXIAL MASTER CHRONOMETER

Apesar da sua idade relativamente curta (foi lançado em 1993), o Omega Seamaster Diver 300M adquiriu o estatuto de “ícone” muito depressa, graças a um desenho inconfundível, preço competitivo dadas as suas características e ao facto de ter sido protagonista de diversos filmes da saga 007, tanto no pulso de Pierce Brosnan como de Daniel Craig. A versão actual – lançada no final de 2018 – teve profundas melhorias face ao modelo anterior, aumentando ainda mais o seu sucesso comercial. Com um movimento automático totalmente antimagnético, reserva de marcha melhorada (55 horas), fundo transparente com o movimento à vista (característica rara em relógios de mergulho) e 5 anos de garantia, é um relógio que deve sempre ser considerado por quem procura um divers watch. Em 2018 regressou também uma das suas características mais distintivas, as famosas “ondas” no mostrador, agora realizadas a laser em mostradores feitos em cerâmica. Além das versões em preto e azul, regressou em 2019 a famosa versão polar white, muito apreciada por quem procura combinações de cores mais incomuns. Conheça a colecção Seamaster aqui.

2. OMEGA SEAMASTER AQUA TERRA 150M CO-AXIAL

A colecção Seamaster da Omega sempre teve vários submodelos, estando actualmente dividida, sobretudo, em três famílas: Diver 300M, Planet Ocean (com mais estanquicidade ainda) e Aqua Terra. Apesar do modelo Aqua Terra ser o menos estanque, e não ter a lunete unidireccional (o que, em bom rigor, faz com que não possa ser considerado um verdadeiro diver’s watch), o seu sucesso justifica a sua inclusão nesta lista, por um simples motivo: a maioria dos clientes não utiliza os seus relógios de mergulho no ambiente para que foram feitos: a água. Ciente desse facto, a Omega criou esta alternativa na sua colecção, mais clássica, com uma enorme variedade de cores, correias e materiais, e até com versões de senhora. Mantendo uma estanquicidade acima da média, foi também alvo de melhorias recentes, com a introdução dos movimentos master chronometer, as novas linhas horizontais (nos antigos modelos eram verticais) e a passagem da janela de data para as 6 horas, de forma a dar mais simetria ao mostrador, além de outros pequenos detalhes que fizeram a diferença. Conheça a colecção Seamaster Aqua Terra aqui.

3. PANERAI SUBMERSIBLE

Os leitores que conhecem bem a Panerai pensarão se não serão (quase) todos os Panerai modelos já de mergulho por si só, e é uma pergunta pertinente. De facto, os Panerai Luminor têm, na maioria dos casos, uma estanquicidade de 300M, a mesma dos Submersible – que até 2019 se designavam de Luminor Submersible mas, por razões de simplificação da nomenclatura das colecções, chamam-se agora apenas Submersible. Na verdade, as diferenças do ponto de vista técnico são pequenas, visto que todos os Panerai são já testados na fábrica em água, com estanquicidades 25% acima do anunciado e com o famoso protector da coroa…aberto (!) que é um pormenor invulgar (e não recomendado para uso em ambiente aquático) que nos faz crer que a estanquicidade real é bastante superior. Os Submersible acrescentam a lunete unidireccional, vista pela primeira vez no protótipo L’Egiziano, de 1956, e pormenores estéticos exclusivos deste modelo. Recorde-se que a Panerai é uma marca que até 1993 fabricava relógios exclusivamente para oficiais de elite da Marinha Italiana, pelo que a legitimidade e o know-how em relógios de mergulho é inquestionável. Todos os modelos Submersible têm calibres manufacturados, reservas de marcha de 3 dias e tamanhos entre os 42 e os 47 mm. Conheça a colecção Submersible aqui.

4. IWC AQUATIMER

As raízes náuticas da IWC remontam também ao primeiro Aquatimer, de 1967, bem como a modelos que foram os seus sucessores, envergando ou não o nome Aquatimer, como o Porsche Design Ocean 2000 (à época, estávamos em 1983, eram fabricados pela IWC sendo, aliás, a lunete deste modelo que inspirou o desenho do Aquatimer actual) e os fantásticos modelos GST Aquatimer  – acrónimo de Gold, Steel and Titanium. Foi nesta colecção que se estreou a versão Deep One, com um profundímetro mecânico, hoje ausente da colecção (ainda existiu um Deep Two e um Deep Three, já em versões mais modernas do Aquatimer). A colecção actual tem uma inovadora lunete externa que está conectada à escala interna do relógio através de um sistema patenteado de embraiagens, e é a lunete com o funcionamento mais suave que conhecemos, ao ponto de ser quase viciante girá-la. Foi também estreado nesta geração um sistema de troca rápida da correia de borracha pela bracelete de aço, muito simples de usar. As versões Galapagos Islands, com um acabamento em borracha vulcanizada negra, ficaram célebres pela sua aparência discreta mas vincada, embora estejam apenas disponíveis em versão cronógrafo flyback com o conhecido calibre 89 da IWC. No entanto, a colecção Aquatimer compreende modelos de 3 ponteiros e cronógrafos, com diversas cores e materiais que pode consultar aqui.

5. BREITLING SUPEROCEAN HERITAGE

O Breitling Superocean Heritage é um modelo relativamente recente na colecção da Breitling mas inspirado no Superocean original, de 1957, um dos relógios de mergulho mais distintos daquela época. Foi dos primeiros relógios a trazer para o nosso tempo as braceletes em malha de aço (ou malha milanesa), numa execução de grande qualidade, e rapidamente se tornou num dos pilares da colecção. Há poucos anos a Breitling introduziu também uma correia em borracha com o padrão da malha milanesa, ainda hoje muito pouco comum. Com lunetes em cerâmica e disponível em versões cronógrafo ou 3 ponteiros, é este último que se destaca por ter um movimento manufacturado B20, com 70h de reserva de marcha e que é um calibre desenvolvido pela Tudor, no âmbito do surpreendente acordo entre estas duas marcas para partilha de movimentos (a Breitling fornece o reputadíssimo cronógrafo B01, em troca). Tem uma estanquicidade de “apenas” 200 metros, isto porque a Breitling tem um Superocean contemporâneo mais adequado para quem deseja fazer uma utilização extrema em situações de mergulho. Conheça a colecção Superocean Heritage aqui.

6. BREITLING SUPEROCEAN

Conforme acima descrito, existe um modelo Superocean com uma estética mais contemporânea e marcadamente Breitling, com referência visual aos seus modelos dos anos 90 e 2000. Isto é particularmente notório na bracelete com elos de efeito diagonal, uma característica que o torna imediatamente reconhecível, bem como a correia em borracha com o nome da marca em relevo. Foi actualizado em 2019 com novos mostradores e novas cores que começam a chegar ao mercado (com regresso para breve do famoso mostrador amarelo), e tem uma surpreendente estanquicidade de 1000 metros, isto nas versões de 44 mm, as mais vendidas. Manteve as “asas” no logotipo Breitling, o que tem gerado alguma confusão junto dos apreciadores na marca, que passamos a clarificar: os modelos mais desportivos da Breitling mantêm as asas no mostrador, enquanto os modelos mais clássicos ou retro passam a ter apenas o “B”, sendo que ambos os logotipos são históricos. Com calibres com certificação COSC, como todos os Breitling, e uma estanquicidade referencial, é um modelo a ter em conta na categoria de preço inferior a 4 mil euros. Conheça a colecção Superocean aqui.

7. BELL & ROSS BR 03 DIVER

O BR 03 não nasceu como um modelo de mergulho e é, na verdade, uma mescla que, em teoria, teria tudo para correr mal mas que teve um resultado final com muita personalidade, comprovada também pelo seu sucesso comercial. O BR 03 nasceu da brilhante ideia da Bell & Ross de executar um relógio diferente com o seu tema preferido: a aviação. Olharam para os instrumentos analógicos de um avião e fizeram a transposição directa para um relógio de pulso, com os 4 parafusos incluídos e todos os pequenos detalhes desses instrumentos, como o desenho dos ponteiros e a sua legibilidade. O sucesso surpreendeu a própria marca e tornou-a conhecida do público em geral, com um modelo 100% original e sem semelhança com nenhum outro relógio. Há dois anos a Bell & Ross decidiu pegar nesse relógio de inspiração aeronáutica e aplicar-lhe características técnicas e estéticas de mergulho, e passou a prova com distinção! O resultado é um verdadeiro diver´s watch com uma aparência inconfundível e um preço muito competitivo, disponível em várias cores e materiais, inclusivamente em bronze (em séries limitadas). Conheça o BR 03 Diver aqui.

8. TAG HEUER AQUARACER 300M

A TAG Heuer é uma marca que se notabilizou pela sua ligação ao desporto automóvel, especialmente à Formula 1, à McLaren, e a pilotos como Ayrton Senna, só para dar alguns exemplos. No entanto, tem também uma longa ligação ao mundo náutico, seja com o primeiro relógio de sempre com indicação de marés (o Heuer Solunar, em 1949), ou em 1983 com os Professional Sports Watch Series 2000, que vieram dar origem aos Aquaracer. Será seguramente dos relógios de mergulho mais vendidos em todo o Mundo, devido à fortíssima imagem de marca, preço competitivo e a uma colecção muito ampla, com relógios para senhora, para homem, de quartzo ou automáticos, 3 ponteiros, GMT ou cronógrafo. Apesar das versões de quartzo serem, naturalmente, as mais acessíveis, são os automáticos (que a TAG designa de Calibre 5) as estrelas da colecção devido ao mostrador deck, muito bem executado, lunetes em cerâmica (pode optar por uma mais acessível lunete em aço) e à lupa de aumento da data, conhecida no jargão relojoeiro como cyclops lens. Se procura um diver por 2.500 euros ou menos, é um relógio que deve considerar. Descubra aqui.

9. ORIS AQUIS DATE

A Oris é uma das poucas marcas de relógios suíços totalmente independente e que é detida e gerida por uma família. Com uma longa e curiosa história, a Oris foi salva na era da crise do quartzo por dois trabalhadores, que a adquiriram. O que notabilizou a Oris nos últimos anos foi – a par do facto de produzir relógios de qualidade e exclusivamente mecânicos, muitos deles com patentes desenvolvidas internamente  – um investimento no design e no pensamento dos pormenores estéticos muito acima da média, com ousadia e bom gosto, o que faz com que tenha uma colecção muito variada, tanto nos modelos como nas cores, materiais e opções de pulseira. É o caso do seu modelo de mergulho mais “técnico”, o Aquis, com uma variadíssima escolha de cores, tamanhos e movimentos, incluindo o fantástico Aquis verde que faz as delícias dos clientes que procuram um relógio diferente com um preço acessível. Destacam-se também as séries limitadas que são feitas todos os anos, com parcerias de consciência social e sensibilização para questões ambientais ligadas aos oceanos. Com uma excelente relação qualidade/preço e acabamentos invulgares para o nível de preço, é uma opção a considerar, especialmente se procurar uma combinação de cores menos comum. Conheça a colecção Aquis aqui:

10. ORIS DIVERS SIXTY-FIVE

Se desejar abdicar de alguma estanquicidade, existe outro modelo de mergulho da Oris, histórico, que tem uma estanquicidade de 100 metros, tal como o modelo original de 1965 (sixty-five). O desenho muito característico do modelo original foi mantido e a atenção aos detalhes, um tamanho equilibrado e um preço competitivo fizeram com que o Divers Sixty-Five colocasse a Oris definitivamente no mapa dos coleccionadores e da imprensa especializada. Com os mesmos movimentos do Aquis Date, os mais atentos irão notar que o preço dos Sixty-Five é mais elevado e isso deve-se, sobretudo, ao vidro que é abobadado (mais comummente designado pela expressão em inglês – domed crystal), pormenor muito típico de relógios vintage e que, actualmente – considerando que praticamente todos os bons relógios têm vidros de cristal de safira – é mais dispendioso de fabricar quando o seu formato é menos regular. Hoje, o Divers Sixty-Five está disponível em várias cores, opções de correia e em inéditas versões em aço com detalhes em bronze que, na nossa opinião, não podiam combinar melhor com o espírito desta colecção. Conheça os Divers Sixty-Five aqui.